Nr-23: proteção contra incêndios

Home / Nr-23: proteção contra incêndios

Nr-23: proteção contra incêndios

17 de março de 2020 | Normas, Segurança na obra | Nenhum comentário

Os riscos de incêndios dentro da construção civil podem ser altos durante a etapa de obra, caso não sejam seguidas todas as normas e legislações vigentes de segurança.  Desse modo, além de cumprir à risca a NR 23, Norma Regulamentadora que estabelece diretrizes importantes para garantir a saúde e a segurança de todos em casos de incêndios, é importante também que todos saibam como agir diante de alguma situação com fogo.

Assim, sabendo da importância da prevenção de acidentes, não só na etapa de construção, mas também durante toda a vida útil do empreendimento, vamos esclarecer um pouco mais sobre a NR- 23 e as principais ações que você deve manter em seus empreendimentos para evitar incêndios e, consequentemente, outras complicações mais graves no canteiro de obras. Confira!

A NR-23

A Norma Regulamentadora 23 estabelece ações específicas para a proteção contra incêndios. Nela, há todas as medidas importantes que as empresas devem manter, como a equipe do canteiro de obras de agir para prevenir ou conter o fogo e também as instalações que devem estar presentes, tanto na fase de construção, quanto após a entrega do empreendimento.

As obrigações da empresa

Como os riscos de incêndio estão presentes em todo tipo de construção, nenhuma empresa fica isenta de cumprir a NR 23. Desse modo, entre as disposições gerais, é obrigatório:

  • Ter equipamentos suficiente e de fácil acesso para conter o fogo em seu início;
  • Projetar saídas do tamanho adequado para a retirada de todos os trabalhadores em casos de incêndio;
  • Sinalizar e dispor de mecanismo de proteção contra incêndio;
  • Oferecer o treinamento adequado a equipe para que utilizem corretamente os equipamentos de prevenção e contenção de incêndios.

Pontos de atenção estabelecidos pela NR

Em vista das disposições gerais, há alguns detalhes que merecem a atenção dos Engenheiros e dos demais responsáveis pela segurança, para que se evite fatalidades no canteiro de obras. Por essa razão, destacamos os principais pontos de atenção e que você deve manter em seus empreendimentos. Confira:

  • Placas de sinalização em todas as áreas necessárias;

Quanto maior o empreendimento mais importante será o uso de placas para indicar a saída correta em casos de incêndios. Além disso, a obra precisar ter uma sinalização que indique a rota de fuga até os lugares mais seguros e se preocupar também com a iluminação adequada para cada tipo de ambiente.

  • As saídas precisam ser livres;

Tão necessárias quanto as placas, as saídas também devem ser livres e desobstruídas. Sendo assim, estes locais não podem ser utilizados como depósitos ou almoxarifados, ou seja, é essencial que não apresente materiais e ferramentas guardados. Com isso, é fundamental que no caminho, as portas não fiquem sempre trancadas ou com passagens restritas.

  • Os treinamentos são indispensáveis;

Outra disposição extremamente relevante da norma, é em relação aos treinamentos, em que a empresa fica responsável por oferecê-los periodicamente aos seus funcionários para que todos saibam como agir em situações de risco.

Os principais objetivos dessa diretriz da Nr-23, são:

  • Evitar situações de pânico em casos de incêndio;
  • Informar todos os colaboradores o sinal correto de alarme de incêndio;
  • Instruir todos do canteiro de obras para que saibam evacuar o local corretamente e em boa ordem;
  • Verificar que a sirene seja ouvida por todos e em qualquer área da construção;
  • Informar cada funcionário sobre suas tarefas e responsabilidades em situações de incêndio.
  • É importante que saibam usar o extintor correto para cada tipo de fogo; 

Como dissemos acima, os treinamentos são indispensáveis para que os colaboradores saibam conter o fogo logo em seu início. Isso ocorre, porque o fogo é dividido em classes. São elas:

  • Classe A: materiais de fácil combustão e que deixam resíduos (fibra, madeira, papel, tecido, etc.).
  • Classe B: substâncias que queimam superficialmente e que não deixam resíduos (gasolina, tintas, óleo, graxas, vernizes, etc.).
  • Classe C: queima de equipamentos elétricos em funcionamento (motores, fios, transformadores, quadros de distribuição, etc.).
  • Classe D: substâncias pirofóricos (titânio, magnésio, zircônio, etc.). 

Assim, fica estabelecido os seguintes tipos de extintores para cada classe do fogo:

  • Extintores de “espuma” para os tipos A e B de fogo;
  • Extintores de “água pressurizada” para fogos de classe A;
  • Extintores de “dióxido de carbono” para tipo A (apenas no início) e para as classes B e C de fogo;
  • Extintores “químico seco” para as classes B e C;
  • O método de abafamentos com o uso de areia poderá ser utilizado para fogos de classes B e D e o abafamento por meio de limalha de ferro pode ser adotado para fogos do tipo D;
  • Outros tipos de extintores ou métodos só poderão ser utilizados com autorização do responsável pela segurança do local;

Gerir corretamente o programa de SST dentro do canteiro de obras também envolve a preocupação com os riscos de incêndios. Continue acompanhando o nosso blog e baixando os nossos materiais e esteja sempre por dentro de todas as ações importantes que você deve manter em seu canteiro de obras para garantir a saúde e o bem-estar de todos os seus trabalhadores.

Compartilhe o post:

(Visited 670 times, 5 visits today)

About Author

Deixe uma resposta

shares